O amor acontece quando você desiste

“O amor acontece para os distraídos”. Isso é o que nos ensinaram desde que começamos a querer um amor para a vida toda e a acreditar em romances de novelas. Mas, teimosos que somos, tentamos colocar o sentimento em uma agenda pessoal para que aconteça no dia, da forma e com as pessoas que planejamos.

As consequências dessa teimosia não são pequenas. Por insistirmos em amores rasos, abrimos nossa alma para pessoas que não merecem nossa companhia ou que não estão dispostas a amar como sonhamos e, com isso, acarretamos toneladas de decepções, tristeza e traições.

É preciso entender que o amor não é nosso subordinado e não existe para obedecer as nossas regras. Amor é independente e só virá quando estivermos pronto para recebê-lo (por isso, para alguns acontece tão cedo e para outros apenas no final da vida).

O amor não gosta de perseguição, de gente chata e que implora para que ele aconteça todos os dias. Amor acontece quando tem que acontecer e ponto.

Pode ser que aconteça numa fila de banco, numa tropeçada na rua, na saída do médico, mas irá acontecer quando ele quiser. Milan Kundera, autor do livro “A insustentável leveza do ser”, dizia que “o acaso tem seus sortilégios, a necessidade não. Para que um amor seja inesquecível, é preciso que os acasos se encontrem nele desde o primeiro instante como os pássaros nos ombros de São Francisco”.

Um dos grandes erros em relação ao amor é acreditar que só o vive quem tem sorte, como se alguns fossem predestinados a serem felizes, enquanto outros morrerão sozinhos e desiludidos. Amor não é predestinação, é consequência.

Ninguém nasce predestinado à solidão, à sofrer em relacionamentos abusivos ou a ser traído por quem se ama. Quem comete ou sofre essas atitudes são pessoas que, ainda, não entenderam o que é o sentimento e não estão prontas para amar.

Kundera afirmava que “o amor não se manifesta no desejo de fazer amor com alguém, mas no desejo de partilhar o sono” e, confesso, que acredito nessa teoria de amar. Amor é saber que concessões fazem parte da rotina, é confiar mesmo que longe, é saber diferenciar “amor para a vida inteira” do “sentimento de uma noite”.

Sabe de uma coisa? O amor foi feito pra os distraídos porque é o rei dos disfarces. Às vezes se disfarça de amigo para testar sua fidelidade, outras de implicância para testar sua paciência, outras ainda, de estranhos para testar sua generosidade. Situações que, se você estiver sensível o suficiente para perceber e maduro para sentir, está pronto para amar.

Por hoje, apenas relaxe e deixe as coisas acontecerem. Pode ser que o destino esteja somente esperando seu momento de distração para cumprir seu papel e que o amor da sua vida, esteja onde você nunca imaginou. “Acontece, às vezes, que uma flecha lançada ao acaso, atinge o alvo que o arqueiro não queria”. (Walter Scott)

 

Imagem: Pexels

Deixe uma resposta

*